quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Milagres de Cristo podem ter sido feitos com maconha.


Adorei essa notícia da BBC Brasil, vejam só...:

Cientistas americanos divulgaram um estudo em que dizem que Jesus Cristo e seus apóstolos podem ter usado um óleo curativo a base de maconha para curar pessoas com doenças incapacitantes.

Segundo os cientistas, um bálsamo usado nos primeiros anos da era cristã continha um extrato de maconha chamado de kaneh-bosem.

O extrato, que é absorvido pelo corpo quando colocado em contato com a pele, poderia ter ajudado a curar pessoas que sofriam de várias doenças físicas e mentais.

O autor do estudo, publicado na revista americana especializada em drogas High Times, disse que suas descobertas são baseadas no estudo das sagradas escrituras.

O cientista, Chris Bennett, disse que o uso de maconha era bastante difundido na época para ajudar a curar os enfermos.

Ele disse que pelo menos um ungüento usado naquela época tinha uma alta concentração de extrato de maconha.

“O óleo sagrado da consagração, conforme descrito nas escrituras em hebreu do livro do Êxodo, continha até 2 kg de keneh-bosum – uma substância identificada por respeitados lingüistas, antropólogos, botânicos e outros estudiosos como maconha, com a adição de óleo de oliva e outras ervas”, disse.

“Os consagrados daqueles tempos eram praticamente mergulhados nessa poderosa mistura.”

Bennett acredita que o bálsamo pode ter sido usado em alguns dos milagres curativos praticados por Jesus e seus discípulos.

“Na antiguidade, males como a epilepsia eram atribuídos à possessão por demônios”, explicou. “Curar alguém com o problema, mesmo com o uso de simples ervas, era considerado exorcismo ou cura milagrosa.”

“Curiosamente, a maconha tem se mostrado útil no tratamento não apenas da epilepsia, mas de outros males curados por Jesus, como moléstias de pele, nos olhos ou problemas menstruais.”

O artigo não coloca em dúvida a validade dos milagres descritos na Bíblia. Em vez disso, trata de analisar se a Igreja Católica, em seus primeiros anos, pode ter feito uso de alguma substância para curar.
Nada no estudo, por exemplo, descarta o papel que a fé pode ter tido na execução dos milagres.
E, convém esclarecer, cânhamo não era ilegal na época de Jesus...

Internet é prova de que Deus não existe (ou é absurdamente incompetente e retardado)

(texto roubartilhado do www.ateusdobrasil.com.br)

Existem atualmente em torno de 2 bilhões de cristãos. A religião existe (oficialmente) desde o século II.

Curiosamente, 2 bilhões de pessoas é também o número de pessoas que usam a internet. Só que a internet como a conhecemos hoje só existe há 20 anos, mais ou menos.

Isso significa que o homem falho, corrupto pelo pecado, com inteligência e poderes limitados criou uma forma extremamente mais eficaz de distribuir uma mensagem do que o Ser Supremo do Universo.

Isso faz algum sentido pra você? Esse é o grande problema do Deus cristão — ao definir sua divindade como um ser com poderes ilimitados, eles se colocam numa sinuca de bico. Como explicar as inúmeras vezes em que os métodos divinos parecem a obra de um estagiário com síndrome de Down?

Tirando essa parte de insinuar que um portador de Síndrome de Down seja sempre incompetente, como o Deus cristão é, o texto é muito bom e esculacha bastante com as religiões. Vale a pena dar uma lida.

(texto original de Izzy Nobre)

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Me engana que eu gosto.

"Eu prefiro sonhar a ser triste", disse o portuga da novela para Griselda, seu amor impossível. É, eu vejo novela de vez em quando, já que é a principal fonte de reflexão sobre assuntos nunca pensados pela maioria dos brasileiros.
Raramente vi uma síntese tão bonita do "me engana que eu gosto" quanto esta.
Nossa espécie não gosta muito da verdade, apesar de ser capaz de concebê-la e assimilá-la, às vezes.
É só pensar quantos creem na continuação da vida após a morte, mesmo sabendo que nenhum Windows roda depois que o disco rígido queima, que não há software sem hardware para fazê-lo funcionar, que não há alma que sobreviva a um cérebro morto.
Você já tomou anestesia geral? Uma situação em que o cérebro fica inoperante? Então já experimentou o sentimento do "nada". Não há sensações, nem memórias, não há nada. Você já experimentou a morte.
Quem somos nós? Um programa "Eu" que roda entre as conexões de nossos neurônios e nos dá a ilusão de existirmos. Entre outras ilusões: a de controle (tal coisa não existe, nem para atravessar uma rua: espere o sinal, olhe para os dois lados e você estará aumentando suas chances de chegar vivo ao outro lado); de sermos quem manda em nossas vontades, sem levar em consideração a natureza (pense nas vezes que você transou sem camisinha).
Uma de nossas ilusões é o tamanho do livre arbítrio (ou, escolha nossa, livre de condicionamentos culturais ou genéticos). Meus professores jesuítas diziam que Adão exerceu o livre arbítrio ao comer o fruto da arvore do conhecimento e por isto foi expulso do paraíso. "Mas, padre, se o Criador lhe deu curiosidade, foi seu modelo ideal, pôs a seu alcance o instrumento de torná-lo semelhante a seu Pai, ainda com o poder de divergir da opinião Dele, o que restava a Adão, senão querer aquele fruto?" A ilusão do livre arbítrio inaugurou-se na mordida da maçã, à força.
Esta lenda é um marco histórico da eterna conversa entre a consciência e a autoilusão, que é o que nos permite ir, às vezes mais para um lado (Copérnico, a dizer que não era a Terra o centro do Universo), às vezes para o outro (as várias maneiras de negar a morte, iniciadas há mais de 100 mil anos, com os rituais fúnebres, o que estabelece o começo de nossa espécie: sabemos que vamos morrer, mas "continuaremos vivos").
Você tem visto as propagandas eleitorais na TV. Preciso dizer mais em relação ao "me engana que eu gosto"? Está bem, nos últimos anos mergulhamos num clima de cinismo sem comparação, ministros corruptos são demitidos com lágrimas e elogios, mas mesmo assim...
A saúde mental combina uma confortável associação de busca da verdade e desprezo por verdades muito incômodas. Portanto, a crença na vida eterna não é nenhuma doença, e vivermos sem pensar na morte, pois estamos vivos, é um equilíbrio. Mas a obsessão pela morte a ponto de se explodir em nome de uma causa, para chegar ao paraíso, certamente é uma doença.
Um ditado dá num bom acordo: "A morte é um momento, e não me roubará da vida nada mais do que ela é, seu momento".
FRANCISCO DAUDT
=========================================
texto roubartilhado da internet... e muito bom!

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Assuntos religiosos chatos, de A a Z, escolha o seu favorito:


Apocalipse
Batismo
Calendário Maia
Demônios
Espiritismo
Filme espírita
Genesis
Hóstia
Inferno
Juizo final
Kaká (e esposa)
Livro dos Espiritos
Milagres
Novo testamento (e o velho também..)
Orações
Pecado
Quaresma
Romaria
Santos
Teologia
Umbanda
Vaticano
Xamanismo
Yahshua
Zoroastrismo (só para ter uma com Z...)

sábado, 19 de novembro de 2011

16 vantagens de não ser religioso:

1. Você fica com 100% do que ganha.

2. Não precisa ir a missa toda semana, dá para ver uns 25 filmes a mais por ano.

3. Não precisa ajoelhar e contar seus podres para alguém pior.

4. Pode usar pílula e camisinha.

5. As únicas regras a seguir no preparo dos alimentos são as da higiene.

6. Se seu casamento não der certo você pode tentar outra vez, sem culpa.

7. Ao invés de rezar e esperar por ajuda você se esforça mais e consegue as coisas!

8. Como não se preocupa com vidas passadas ou futuras, vive melhor esta.

9. Pode ser bom e justo por opção e não por ter sido ameaçado por deuses e padres.

10. Pode fazer o que quiser no sábado, inclusive ver TV, andar de carro e de elevador.

11. Jejum só na dieta ou para fazer exame de sangue.

12. Seguir leis de hoje e não as escritas há milhares de anos por peregrinos do deserto.

13. As 17hs pode tomar um chá ou café ao invés de procurar a direção de Meca para orar.

14. Você não precisa acreditar em maçã do pecado, cobra que fala, mar que se abre, virgem que dá a luz, anjo que traz recado, morto que ressuscita, mandamentos, reizinhos que levam presentes, estrelinha que mostra o caminho, livro de lendas antigas e mal traduzidas, purgatório, inferno, diabo, pecado, Terra com 5 mil anos de idade, universo feito em 6 dias, santos fajutos, milagres capengas, dilúvio, arca, papa que é eleito pelos homens mas vira santidade, igreja que protege pedófilos, gente que funda uma igreja e vira bispo, penitência, flagelo, terço, abstinências sem sentido, dogmas tolos, deus que tudo sabe mas que não fala com ninguém, batismo, crisma, comunhão, santo graal, crucifixo, água benta, hóstia, imagem de santa que aparece no vidro, Jesus que aparece na torrada, estatueta de santo que chora, gente histérica que reza aos gritos e nem na idéia absurda de 3 deuses que são um só mas são 3.

15. E, por fim, você pode crer livremente na ciência, nas leis da natureza, em teorias embasadas por fatos comprováveis e que não dependem de fé cega em fatos, leis, lendas e textos milenares, de origem duvidosa e superados pela evolução da humanidade.

16. Enfim, um ateu é um ser livre, para pensar e para viver. Como é bom ser ateu!

(post reciclado mas sempre atual...)

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Um sábado qualquer....

Siga os conselhos da bíblia e seja bom e justo. Será mesmo?


De acordo com o Levítico 20 algumas ofensas graves devem ser punidas com a pena de morte.
Exemplos: amaldiçoar os pais; cometer adultério; ter relações com o madrasta; homosexualidade e algumas outras.
Também merece a pena de morte quem trabalhar no Shabat, em Numeros 15 os filhos de Israel encontram um homem apanhando lenha no dia proibido. Eles o prenderam e perguntaram a deus(como será que fizeram isso???) o que fazer com ele e a resposta (como será que ela veio???) de deus reflete bem sua infinita bondade: "Tal homem será morto, toda a congregação o apedrejará fora do arraial".
Bonzinho esse deus hein?
Pois foi o que aconteceu, segundo a bíblia, o homem foi apedrejado e morto.
Teria mulher e filhos?
Seria um homem bom e caridoso?
Alguém que apanha lenha no dia "errado" merece a morte?

Se deus não existe, por que ser bom?



(deus, um delírio, Richard Dawkins, pag. 295)

"Apresentada assim a pergunta soa realmente ignóbil. Quando uma pessoa religiosa dirige-se desse jeito para mim (e muitas fazem isso), minha tentação imediata é lançar o seguinte desafio: Você realmente quer me dizer que o único motivo para tentar se bom é obter a aprovação e a recompensa de deus ou para evitar a desaprovação dele e a punição? Isso não é moralidade, é só bajulação, puxação de saco, estar preocupado com a grande câmera de vigilância dos céus, ou com o pequeno grampo de dentro da sua cabeça que monitora cada movimento seu, até seus pensamentos mais ordinários.
Como disse Einstein, se as pessoas são boas só porque temem a punição e esperam recompensa então somos mesmo uns pobres coitados"

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

A dura vida dos ateus em um Brasil cada vez mais evangélico.

.

Texto da jornalista Eliane Brum na Revista Época relatando o diálogo (real) entre uma passageira atéia e um taxista evangélico:

============================================

- Você é evangélico? – ela perguntou.
- Sou! – ele respondeu, animado.
- De que igreja?
- Tenho ido na Novidade de Vida. Mas já fui na Bola de Neve.
- Da Novidade de Vida eu nunca tinha ouvido falar, mas já li matérias sobre a Bola de Neve. É bacana a Novidade de Vida?
- Tou gostando muito. A Bola de Neve também é bem legal. De vez em quando eu vou lá.
- Legal.
- De que religião você é?
- Eu não tenho religião. Sou ateia.
- Deus me livre! Vai lá na Bola de Neve.
- Não, eu não sou religiosa. Sou ateia.
- Deus me livre!
- Engraçado isso. Eu respeito a sua escolha, mas você não respeita a minha.
- (riso nervoso).
- Eu sou uma pessoa decente, honesta, trato as pessoas com respeito, trabalho duro e tento fazer a minha parte para o mundo ser um lugar melhor. Por que eu seria pior por não ter uma fé?
- Por que as boas ações não salvam.
- Não?
- Só Jesus salva. Se você não aceitar Jesus, não será salva.
- Mas eu não quero ser salva.
- Deus me livre!
- Eu não acredito em salvação. Acredito em viver cada dia da melhor forma possível.
- Acho que você é espírita.
- Não, já disse a você. Sou ateia.
- É que Jesus não te pegou ainda. Mas ele vai pegar.
- Olha, sinceramente, acho difícil que Jesus vá me pegar. Mas sabe o que eu acho curioso? Que eu não queira tirar a sua fé, mas você queira tirar a minha não fé. Eu não acho que você seja pior do que eu por ser evangélico, mas você parece achar que é melhor do que eu porque é evangélico. Não era Jesus que pregava a tolerância?
- É, talvez seja melhor a gente mudar de assunto...
========================================

link para a matéria completa:
http://revistaepoca.globo.com/Sociedade/noticia/2011/11/dura-vida-dos-ateus-em-um-brasil-cada-vez-mais-evangelico.html

sábado, 12 de novembro de 2011

12.11.2011

Foi duro de aguentar e agora resta perguntar: doeu? fez alguma diferença na sua vida? O mundo acabou, o apocalipse chegou?
No ano passado tivemos o 10/10/10 e no ano que vem teremos o 12/12/12 e imaginar que essas datas tenham algum poder ou energia diferente é contrariar a lógica e assinar atestado de burrice, sinto dizer.
Datas são convenções burocráticas, acordadas para permitir uma vida civilizada. Datas ou dias não tem em si energias ou significados, não afetam nossas vidas, lembrem-se da virada do ano 2000 e toda aquela histeria inútil.
Numerologia é uma das mais estúpidas crendices que eu conheço, não tem pé nem cabeça, parte de um princípio fantasioso de que os numeros vibram em sintonias diferentes e afetam nossa vida.
Numeros vibrando?
Pense, o que é um número?
De que forma eu mudar meu nome para Linneu poderia me ajudar ou me prejudicar?
Bem, pelo menos em 2013 não teremos essa bobagem.

domingo, 6 de novembro de 2011

Chico Xavier: como explicar?


Os posts sobre Chico Xavier são sem dúvida os que geram o maior numero de comentários aqui no blog. Em geral, defendendo o médium e atacando quem dele duvida.
Um dos comentários mais recorrentes é o que desafia seus detratores a explicar a produção literária dele, não só pela escala mas pelos diferentes estilos.
Afinal dizem que CX era “iletrado” e não poderia jamais ter escrito tudo aquilo sozinho.
Eu sempre coloquei minha opinião de forma clara e objetiva, para CX só duas explicações seriam possíveis: fraude ou uma complexa combinação de fatores psiquiátricos que para simplificar vou chamar de esquizofrenia.
Lembre-se que para um ateu a terceira hipótese (a dele falar mesmo com os mortos) não é considerada, já que não cremos em espíritos nem em nada que sobreviva à morte.
A Revista Superinteressante fez uma boa matéria sobre CX e nela as possíveis explicações são descritas com um pouco mais de propriedade, acho que vale a pena reproduzir, vejam:

Psicose
Nada de espíritos - por essa tese, as cartas seriam produzidas pelo próprio Chico. Só que ele não se lembraria disso. É como se fosse uma ação do inconsciente, ou de uma outra personalidade que ele assumiria. "A mente deixaria de ser única e vários pedaços assumiriam vida autônoma", afirma o psiquiatra Alexander Moreira de Almeida. "Mas fizemos testes com 115 médiuns, e eles têm uma sanidade mental acima da média da população", diz.

Epilepsia
Nos anos 70, a revista Realidade publicou a cópia de um eletroencefalograma do cérebro de Chico Xavier. Sem saber o nome do paciente, um médico analisou o exame e concluiu: havia ali uma descarga elétrica anormal, capaz de provocar uma convulsão. "Poderia causar alheamento, sensação de ausência, automatismo psicomotor", afirmava o médico Juvenal Guedes.

Criptomnésia
Um distúrbio de memória que faz com que as pessoas se esqueçam de que conhecem uma determinada informação. Os dados que Chico colocava nas cartas seriam apenas lembranças escondidas em seu próprio subconsciente. "Mas não há exame que detecte memórias falsas. Para evocá-las, o cérebro usa exatamente o mesmo mecanismo das verdadeiras", explica o neurologista Ivan Izquierdo, especialista em memória da PUC do Rio Grande do Sul.

Telepatia
Tem cientista que acredita que Chico poderia captar, inconscientemente, as memórias do morto - só de conversar com um parente dele. "O médium poderia usar poderes considerados paranormais para captar informações direto da cabeça das pessoas", afirma o psiquiatra Almeida. Até hoje, no entanto, a telepatia ainda não foi provada pela ciência.